Cientistas desenvolvem óvulos humanos em laboratório até a maturidade pela primeira vez

Noticiado pela agência de notícia internacional – Reuteus, nesta sexta feira – 09 de fevereiro, que cientista conseguiram desenvolver óvulos humanos a partir de tecido ovariano de mulher.
Segundo  Portal G1 de notícias :

Pela primeira vez  foi desenvolvido óvulos humanos em laboratório desde os estágios iniciais até a total maturidade, quando estão prontos para serem fertilizados – uma descoberta que pode ajudar a desenvolver novas terapias regenerativas e tratamentos contra a infertilidade.

O experimento foi realizado por pesquisadores do Reino Unido e dos EUA, que publicaram os resultados na revista científica “Molecular Human Reproduction” nesta sexta-feira (9).

Os óvulos foram desenvolvidos a partir do tecido ovariano de dez mulheres. Dos 48 óvulos que atingiram o penúltimo estágio do processo, nove chegaram à maturidade total.

Imagens aumentadas mostram óvulos humanos em diferentes fases de desenvolvimento (Foto: Prof. Evelyn Telfer e Dr. Marie McLaughlin/Universidade de Edinburgo via Reuters )

Imagens aumentadas mostram óvulos humanos em diferentes fases de desenvolvimento (Foto: Prof. Evelyn Telfer e Dr. Marie McLaughlin/Universidade de Edinburgo via Reuters)

Estudos anteriores já haviam obtido o mesmo resultado em ratos: foram criados óvulos desses animais em laboratório até o estágio em que eles produziram descendentes vivos.

Já em humanos outras equipes tinham conseguido atingir diferentes estágios de desenvolvimento do processo, mas é a primeira vez que se consegue desenvolver os mesmos óvulos do estágio inicial até o ponto em que poderiam ser liberados pelos ovários e fertilizados (a maturidade total).

“Ser capaz de desenvolver completamente óvulos humanos em laboratório pode ampliar o escopo dos tratamentos de fertilidade existentes. Estamos agora trabalhando em melhorar as condições dos óvulos humanos durante seu desenvolvimento e estudando o quão saudáveis eles são”, disse Evelyn Telfer, coautora do trabalho, que foi conduzido por pesquisadores de dois hospitais em Edinburgo (Escócia) e do Centro de Reprodução Humana de Nova York.

Repercussão

Especialistas que não estão ligados diretamente ao estudo comentaram que o trabalho é importante, mas alertaram que há muito a ser feito antes que os óvulos criados em laboratório podem ser usados com segurança para serem fertilizados com esperma.

“Esses dados sugerem que isso pode ser muito factível no futuro”, diz Ali Abbara, pesquisador experiente da área de endocrinologia do Imperial College London. “Mas a tecnologia ainda está em um estágio inicial, e há muito a ser feito para garantir que a técnica é segura e que os ovos permanecerão normais durante o processo, formando embriões que levem a bebês saudáveis”, disse.

Para Darren Griffin, professor de genética da Universidade de Kent no Reino Unido, o trabalho foi um “avanço técnico impressionante”.

Se for comprovada sua segurança e seu sucesso, afirma, pode ajudar no futuro pacientes de câncer que querem preservar sua fertilidade antes de passarem por quimioterapia, melhorar os tratamentos contra infertilidade e aprofundar a compreensão da biologia dos primeiros estágios da vida humana.

Fonte : https://g1.globo.com/bemestar/noticia

“Me solicitaram dosagem do Hormônio Antimulleriano” – Pra que serve ?

O hormônio antimulleriano (AMH) foi descoberto em 1940, é uma glicoproteína e costuma ter seus níveis aumentados na puberdade e indetectáveis na menopausa.

Este hormônio é produzido pelas células da granulosa, que compõem os folículos pré-antrais e antrais pequenos.

O que isso significa ?

Significa que os folículos ovarianos antes de serem recrutados pelos ovários para seu amadurecimento, crescimento e posterior ovulação; eles produzem hormônio antimulleriano (AMH).

Sim. E daí ?

Dessa maneira é possível predizer a reserva de folículos ovarianos que as pacientes possuem, antes mesmo destes folículos crescerem e promoverem a ovulação. Dessa maneira o AMH pode mensurar a reserva ovariana, principalmente associado a realização de contagem de folículos antrais, através da ultrassonografia transvaginal.

Então, sempre que tiver um AMH alto, quer dizer que posso engravidar facilmente?

Não. É necessário uma avaliação individual do paciente, uma vez que mulheres com Síndrome do Ovário Policístico podem apresentar valores elevados de AMH e ainda assim apresentarem um quadro de infertilidade. Uma avaliação ampla da mulher deve ser realizada.

Resumindo :

  • AMH é coletado por amostra sanguínea.
  • Pode ser coletado em qualquer dia do ciclo para avaliação de reserva ovariana.
  • Associado a contagem de folículos antrais (CFA) pela ultrassonografia é considerado um importante preditor de reserva ovariana.
  • Pode ser considerado um importante marcador pra resposta ovariana ao tratamento de reprodução assistida, porém nem sempre é um preditor de taxa de gravidez em ciclos de FIV.
  • Na prática clínica, pode ser considerado valores de AMH de 1,0 ng/ml e 3,0 ng/ml  para a identificação de possíveis pacientes classificadas como pobre respondedora e hiper-respondedoras a estimulação ovariana controlada, respectivamente.
  • O AMH pode auxiliar na minimização de risco de Síndrome de Hiperstimulo Ovariano, através da elaboração de protocolos mais adequados, ou promovendo melhor resposta ovariana à estimulação ovariana controlada.

Ressalto a importância de consulta médica com especialista para individualização de casos e para elucidação de dúvidas sobre o tema.

Fonte : Tratado de Reproducão Assistida – SBRH – 3ª edição

Muito Obrigado

Dr.Igor Faria Dutra

 

Uso da nanotecnologia na reprodução assistida.

O futuro já começou! Uso de nanotecnologia para realização do ICSI ( injeção intracitoplasmática de espermatozóides) na técnica de reprodução assistida. No vídeo podemos ver o robô sendo usado para levar o espermatozóide até o óvulo! Fantástico! Será que um dia usarmos essa tecnologia na rotina dos tratamentos ?

Fonte: @machinepix (Instagram)

Um nanorobô pega um esperma pela cauda e injeta em um óvulo, procedimento realizado pelo pelo Instituto de Nanociências Integrativas da Alemanha.

O uso do telefone celular e internet wi-fi levam a piora da qualidade seminal.

Recente artigo de revisão Nature Urology, mostra que o telefone celular e o laptop com uso de internet wi-fi vêm mostrando piora da qualidade seminal. Isto corrobora com a idéia de que a qualidade seminal dos homens no século XXI é pior do que de séculos anteriores.

As metanálises, incluindo estudos in vivo e in vitro, sugeriram que a exposição a telefones celulares está associada à redução da mobilidade espermática e da viabilidade espermática.

O aumento da produção de espécies reativas de oxigênio e o aumento da fragmentação do DNA no esperma foram sugeridos como possíveis mecanismos para esses efeitos adversos.

Uma associação de exposição do telefone móvel com concentração de esperma foi observada na metanálise de estudos em animais, mas os dados são equivalentes em estudos humanos e o Programa Americano Nacional de Toxicologia está atualmente realizando um estudo abrangente sobre os efeitos de exposição do telefone móvel na saúde.
Um estudo in vitro sugeriu uma associação negativa entre o uso de laptops conectados à internet sem fio e motilidade espermática e também sugeriu aumento da fragmentação do DNA, potencialmente através de um efeito não-térmico.

Procure médico especialista em fertilidade, para maiores esclarecimentos sobre o tema.

Fonte: https://www.nature.com/nrurol

Obrigado

Igor Faria Dutra

 

Tabagismo afeta a fertilidade ?

A resposta categoricamente é Sim.

Inúmeros estudos mostram o impacto do tabagismo na saúde reprodutiva de mulheres e homens. Baseado nesses estudos a ASRM (American Society for Reproductive Medicine) emitiu uma opinião sobre o tema após revisão a literatura científica sobre a questão.

 Atraso na gravidez – O fumo ativo foi associado a uma maior incapacidade de conceber dentro das durações de estudo de 6 e 12 meses. Aumento do atraso na concepção correlacionada com o aumento do número diário de cigarros fumados. A porcentagem de mulheres que experimentaram atraso de concepção por mais de 12 meses foi 54% maior para os fumantes do que para os não fumantes. O fumo ativo por qualquer parceiro teve efeitos adversos e o impacto da exposição passiva do fumo de cigarro sozinho foi apenas um pouco menor do que o fumo ativo por qualquer parceiro.

Efeitos nos parâmetros do sêmen – A diminuição da concentração de espermatozóides em média foi de 22% e dependente da dose. O uso de tabaco sem fumo também tem um efeito negativo dependente da dose em múltiplos parâmetros de sêmen. Embora as concentrações de espermatozóides, motilidade e / ou morfologia sejam muitas vezes reduzidas em comparação com os resultados observados em não fumantes, eles geralmente permanecem dentro do intervalo normal. No entanto, as evidências disponíveis sugerem que o tabagismo pode ter efeitos adversos na função do esperma com base em um estudo envolvendo o teste de penetração de ovos de hamster.

Mutações genéticas – O dano no DNA do gameta pode causar muitos dos efeitos reprodutivos adversos reconhecidos do tabagismo, como abortos espontâneos aumentados, início acelerado da menopausa e redução da fecundidade. Os aumentos nos defeitos congênitos foram relatados entre os descendentes de pais fumantes, mas os efeitos teratogênicos da fumaça de cigarro durante a gravidez confundem se o dano do DNA nos gametas pode desempenhar um papel.

Efeitos do tabagismo materno na descendência masculina – Um estudo epidemiológico para identificar a causa da diminuição da contagem de esperma em homens dinamarqueses versus finlandeses sugeriu um efeito do tabagismo materno. Depois de ajustar por fatores de confusão, homens cujas mães haviam fumado mais de 10 cigarros por dia apresentavam menor densidade de esperma do que homens com mães que não fumavam. O tabagismo paterno não estava relacionado aos parâmetros do sêmen da prole. É possível que esses efeitos sobre descendentes masculinos possam ser mediados por cadmio ou outros contaminantes da fumaça de cigarro. Juntamente com uma redução na fecundidade e efeitos iniciais da gravidez, esses efeitos na progênie podem aumentar substancialmente a carga reprodutiva adversa geral do tabagismo.

Resumindo
– 13% da infertilidade pode ser atribuída ao tabagismo.
– Fumar parece acelerar a perda de função reprodutiva e pode avançar o tempo da menopausa em 1 a 4 anos. 
– Existe uma boa evidência de que os parâmetros do sêmen são 22% piores nos fumantes do que nos não-fumantes.
– Há evidências de que fumar está associado a riscos aumentados de aborto espontâneo e gravidez ectópica. 
– Fumantes exigem quase o dobro do número de tentativas de FIV para conceber como não fumantes
Fonte : ASRM.ORG
Obrigado
Dr. Igor Faria Dutra

Mioma e Infertilidade – O que devemos saber.

Importante estudo publicado pela revista científica Fertility & Sterility da ASRM, mostra que miomas uterinos, que não alteram a cavidade uterina, não levam a insucesso terapêutico na inseminação intra-uterina (IIU).

Abaixo segue um breve resumo traduzido do artigo:

´´Associação de miomas uterinos e resultados de gravidez após a estimulação ovariana (Inseminação Intra-Uterina)

Em mulheres com infertilidade sem causa aparente (ISCA), não foram observadas diferenças nas taxas de nascidos vivos naqueles com miomas uterinos que não distorcem a cavidade em comparação com aqueles sem miomas após estimulação ovariana – inseminação intra-uterina.

Um total de 102/900 participantes (11,3%) tinham pelo menos um mioma documentado e uma cavidade uterina normal. As mulheres com miomas eram mais velhas, tinham maior probabilidade de serem afro-americanas, tinham maior volume uterino, níveis séricos menores de hormônios antimüllerianos e menos folículos antrais do que mulheres sem miomas.  Não houve diferença nas taxas de concepção e nascidos vivos em indivíduos com e sem miomas.

Conclusão (ões)

Não foram observadas diferenças nas taxas de concepção e nascidos vivos em mulheres com miomas que não distorcem a cavidade e sem miomas. Esses achados fornecem tranquilidade de que o sucesso da gravidez não é afetado em casais com miomas que não causam distorção da cavidade submetidos a IU para infertilidade inexplicada.

Link do artigo: www.asrm.org

Esse artigo corrobora o conceito de que miomas que não levam alteração da cavidade uterina não devam ser abordados cirurgicamente com o propósito de aumentar chances de gravidez em mulheres submetidas a tratamento de reprodução assistida.

Para maiores dúvidas sobre o tema procure um médico especialista.

Obrigado

Dr. Igor Faria Dutra

Varicocele e Infertilidade – Entenda essa relação e seu tratamento.

Varicocele é um doença de extrema importância na medicina reprodutiva, visto que, é considerada uma causa relevante de infertilidade.  Sua correção cirúrgica pode promover a gravidez natural em muitos casos, como até mesmo, melhores resultados em tratamentos de fertilização.

A Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), publica com frequência em sua revista científica estudos sobre o tema.  Comentarei os pontos mais relevantes do guideline publicado.

– O que é Varicocele ?

Varicoceles são definidas como veias escrotais anormalmente dilatadas, são presente em quase 15% da população masculina normal e em aproximadamente 40% dos homens com infertilidade. Embora a maioria dos homens com varicoceles sejam férteis, a variocele continua a ser o diagnóstico mais comum observado em homens inférteis.

Reproductive Scrotal layers
Bolsa Testicular

Pontos Importantes :

  • O diagnóstico de varicocele baseia-se principalmente no exame físico.
  • Os estudos de imagem não são indicados para a avaliação padrão, a menos que o exame físico seja inconclusivo.
  • Somente os vasos clinicamente palpáveis têm sido claramente relacionados com infertilidade.
  • Adolescentes e jovens podem ter varicocele e o acompanhamento do volume testicular, pode determinar a correção cirúrgica.
  • As abordagens microcirúrgicas baixas têm demonstrado menor recorrência e taxas de complicação do que as abordagens não microcirúrgicas.
  • A reparação de varicocele está associada a um baixo risco de complicações.
  • A maioria dos estudos mostra melhora nos parâmetros do sêmen e fertilidade após o reparo da varicocele.
  • O tempo para melhorar os parâmetros do sêmen é de aproximadamente 3 a 6 meses.

A experiência e o conhecimento do médico, incluindo a avaliação de ambos os parceiros, juntamente com as opções disponíveis, devem determinar a abordagem do tratamento com varicocele.

Parte deste texto foi traduzido e retirado do site : www.asrm.org

Para avaliação do casal é muito importante que o homem seja examinado por profissional experiente e treinado para detecção de varicocele, visto que, muitas vezes esse diagnóstico é negligenciado e pode ser determinante para o sucesso do tratamento.

Muito Obrigado

Dr. Igor Faria Dutra