Endometriose : A importância do diagnóstico precoce e Novos Tratamentos.

Em uma recente publicação na revista Sterility & Fertility da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), a Endometriose foi tema de revisão e comentário de especialistas.

O médico Robert F. Casper, da divisão de Ciências Reprodutivas da Universidade de Toronto, escreveu um relevante comentário sobre essa doença, que tanto afeta mulheres em todo mundo e impacta na qualidade de vida e no potencial de fertilidade.

Separei alguns importantes trechos da publicação que acredito que possa ser esclarecedor não só para especialistas, como pra população geral, principalmente pacientes que sofrem desse transtorno:

A endometriose é uma doença crônica de natureza heterogênea que está geralmente associada com dor pélvica e infertilidade. O adequado manejo clínico e o diagnóstico precoce são importantes pra previnir estágios mais avançados da doença, especialmente porque há dados que sugerem que o diagnóstico de endometriose é tipicamente adiado por 8 a 10 anos.

O padrão-ouro para o diagnóstico é a laparoscopia com biópsia e demonstração histológica do tecido endometrial ectópico. Um diagnóstico presumido de endometriose muitas vezes pode ser feito na história se o paciente tem sintomas clássicos, como dor com períodos que não são completamente aliviado por drogas anti-inflamatórias, dor que começa um ou dois dias antes do início da menstruação e dispareunia adquirida ou progressiva.”

“Um adequado manejo clínico deve ser iniciado uma vez que o diagnóstico presuntivo é feito. Na minha opinião,  esta medida poderia levar a prevenção de muitas das complicações posteriores que poderiam ocorrer com a endometriose, como endometriomas ovarianos, aderências e cicatrizes com uma pelve congelada. No entanto, uma vez que não há cura para endometriose, todos os tratamentos presentes envolvem a supressão de longo prazo da doença e pode ter efeitos colaterais. Portanto, um marcador não invasivo de endometriose, que poderia confirmar um diagnóstico presuntivo e evitar a necessidade de cirurgia seria tranquilizador para médicos e pacientes. Ahn et al. descreve esforços passados e presentes na busca para encontrar um marcador de diagnóstico não invasivo. “

As pílulas anticoncepcionais orais parecem ser eficazes porque evitarão a dismenorréia primária relacionada com a produção de prostaglandinas e, assim, aliviarão, pelo menos parcialmente, a dismenorréia em pacientes com endometriose. No entanto, as pílulas anticoncepcionais orais geralmente não eliminam a dor pélvica não menstrual ou outros sintomas da endometriose, como a dispareunia profunda. Assim, após o que parece ser uma melhora inicial, se a dor da endometriose persistir ou aumentar, em vez de passar para um tratamento médico efetivo ou para laparoscopia, uma pílula anticoncepcional diferente pode ser experimentada. Esta mudança de um comprimido contraceptivo oral para outro resulta em um atraso do diagnóstico, que é exatamente o que estamos tentando evitar no tratamento da endometriose. Acredito que as pílulas anticoncepcionais orais não deveriam mais ser usadas como tratamento de primeira linha para a dor da endometriose e devem ser substituídas pela terapia oral somente com progestógeno. Meu artigo discute isso em mais detalhes.”

“Meu artigo revisa por Bedaiwy et al. Descreve a eficácia e segurança do tratamento médico a longo prazo da endometriose usando apenas agonistas de hormônios progestagênicos ou hormônio liberador de gonadotropina (GnRH). Ambos os tratamentos estão associados a um grande número de dados demonstrando que eles podem eliminar completamente a dor, melhorar a qualidade de vida e reduzir o tamanho das lesões endometrióticas. Tanto o tratamento com progestágeno como os agonistas de GnRH são seguros para uso em mulheres de qualquer idade e são eficazes a longo prazo.”

“Associado à endometriose também suprimir a ovulação, eles são contraproducentes em relação à infertilidade. A este respeito, a cirurgia pode ter um lugar na melhoria da capacidade de concepção espontânea ou em casos muito graves de endometriose para tornar os ovários acessíveis para a fertilização in vitro. A cirurgia para endometriomas ovarianos requer atenção especial devido ao risco de potencial dano à reserva ovariana e à futura fertilidade.”
“A revisão  por Bedaiwy et al., explora o trabalho futuro no desenvolvimento de novos tratamentos para a endometriose. Alguns dos tratamentos atualmente em desenvolvimento são melhorias na terapia incluindo antagonistas de GnRH orais e moduladores seletivos de receptores de estrogênio ou progesterona. No entanto, especialmente à luz das questões de fertilidade relacionadas à endometriose, futuras terapias estão sendo pesquisadas para gerir os sintomas da dor sem suprimir a ovulação, ou melhor ainda que possa resultar em uma cura, em vez de apenas uma temporária supressão da endometriose. A este respeito, os imunomoduladores e agentes antiangiogênicos são de interesse.” 

Robert F. Casper, M.D. – Division of Reproductive Sciences, University of Toronto, Lunenfeld-Tanenbaum Research Institute, Mount Sinai Hospital; and TRIO Fertility, Toronto, Ontario, Canada

Acredito que essa leitura resume muito bem o conceito, tratamentos e principalmente desafios futuros da Endometriose.

Segue o link para a acesso ao texto na íntegra: http://www.fertstert.org/

Procure o médico para elucidar quaisquer dúvidas em relação ao tema.

Obrigado.

Dr. Igor Faria Dutra

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s